assuntos e pessoas:

A questão

W. H. Auden

Todos nós acreditamos
ter nascido de uma virgem
(pois quem pode imaginar

os seus pais a copular?)
e casos há conhecidos
de Virgens que engravidaram.

Mas permanece a Questão:
de onde Cristo recebeu
aquele cromossomo extra?

(W. H. Auden, [poemas], tradução de José Paulo Paes e João Moura Jr., Companhia das Letras, 2013)

W. H. Auden

W. H. Auden (1907-1973) passou a vida a fazer poesia, alçando-se ao posto de maior poeta inglês após a morte de T. S. Eliot. Intransigente e portador de alta carga crítica, observava com ironia a vida pública e a vida literária. Sua lira passou longe do afetivo e psicológico, ou mesmo do pessoal e individual. Mostrava-se mais preocupado com o conjunto da aventura humana, com o destino dos homens tragados pelas guerras e por outras catástrofes, com a avidez dos poderosos, com a sorte dos destituídos e vulneráveis. Por isso, sua poesia devotou-se a amplos temas e às vezes adquire tons proféticos, ali onde ele interpela os homens pelo descaso com que tratam seus semelhantes. Cético e mordaz, mas dedicado à meditação existencial, a sua é uma voz conflituosa da Modernidade ante os horrores que ela própria engendrou.

Walnice Nogueira Galvão, professora emérita da FFLCH da USP, integra o Conselho de Redação de Teoria e Debate
 

Creative Commons

Creative Commons
Revista Teoria e Debate. Alguns direitos reservados.