Especial

Alípio foi um irmão, um estrategista que tornava um momento de “causas perdidas” em levante aglutinador, afirmando “vamos precisar de todo mundo, um mais um é bem maior que dois”!
 

Alipio contribuía para tornar o que era árduo em momentos de agradável descontração. Foto: Hidalgo/Arquivo Pessoal

Conheci Alípio Freire no ano 2000, quando fez parte da equipe de Renato Tapajós, na comunicação da Campanha Eleitoral do PT Campinas, sendo eleitos Toninho do PT para prefeito e Izalene Tiene como vice, para o mandato 2001-2004. Já se passaram duas décadas, mas como esse homem contribuía para tornar o que era árduo em momentos de agradável descontração nas estratégias para lidar com os opositores e com situações adversas! Alípio Freire continuou em Campinas colaborando no mandato, na comunicação do Orçamento Participativo (OP), durante os quatro anos, iniciado com Toninho Prefeito e eu coordenando o OP. Contávamos com sua perspicácia agora no enfrentamento da elite local, controladora dos meios de comunicação na oposição a um governo que se propunha democrático e popular! O pior e brutal acontecimento foi, em 10 setembro 2001, o assassinato do nosso prefeito Toninho, crime político até hoje não esclarecido judicialmente! Alípio Freire foi para mim um irmão, um estrategista que tornava um momento de “causas perdidas” em levante aglutinador, afirmando “vamos precisar de todo mundo, um mais um é bem maior que dois”! É preciso continuar o sonho e a utopia de que a violência não acaba com nossos ideais! E assim continuamos com mais força e coragem buscando, nas cinzas e nas dores, a felicidade. Em 22 de abril de 2021, às 11 horas, foi comunicada pela sua filha Camila a triste notícia: “É com muita dor no coração que eu informo, Alípio se foi nesta manhã”! Senti muita dor! Nosso amigo guerreiro partiu!  O mundo ficou mais triste! E não temos nem como chorar juntos! Que luta travou nosso companheiro até o último suspiro, contra a Covid-19 e o genocídio em curso no Brasil! Muita tristeza, dor e muita indignação por esse governo genocida! Uma morte antecipada que poderia ser evitada com a vacina. Perdemos um grande batalhador da classe trabalhadora! Ele lutou bravamente, como sempre, até o fim! Deixa-nos a coragem e persistência pela vida! Deixa-nos sua alegria revolucionária. E nós continuaremos os caminhos das lutas pela democracia e por uma vida digna para todos e todas com poesia e beleza! Mais uma estrela vermelha brilha no céu! Com muita gratidão ao Alípio, por ter existido e vivido como viveu, honramos sua memória, preservando seu legado e continuando a luta por toda vida! Continuamos caminhando rumo à utopia. Nosso país atravessa hoje um retrocesso brutal. Essa dor histórica precisa contribuir para avançarmos nas lutas, evitando que outros lutadores não continuem partindo antecipadamente, seja pelo terrível vírus ou por outras violências. Alípio era para mim, nas ações de governo, um companheiro assessor que me animava e apoiava sempre com o seu lema: “Sabemos trabalhar, saberemos governar”! Assim foi sua participação na equipe de comunicação no Orçamento Participativo de Campinas. Na avaliação final do governo em 2005, gravamos, eu e ele, uma avaliação política que ficou registrada, mas ainda não publicizada.Tínhamos combinado, em janeiro deste ano, uma retomada! Ele se dispôs a fazer a revisão e ajudar na complementação para uma possível publicação. Não houve tempo! Mas ele vai continuar presente em nossas lutas na busca de uma sociedade democrática, com justiça social e igualdade!  Izalene Tiene ex-prefeita de Campinas