Especial

Não vacilou em abrir o espaço da ABI para a homenagem póstuma a Pedro Pomar assassinado pela repressão policial-militar e cujos restos mortais foram descobertos no cemitério de Perus

Alipio Freire, Apolônio de Carvalho, Wladimir Pomar e Luiz Eduardo Greenhalgh (1980). Foto: Nair Benedicto

Nos juntamos a essa homenagem ao Alípio. Ele merece! Rachel e eu conhecemos o Alípio quando ele dirigia a seção da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) em São Paulo e abriu a sede para fazermos o ato público do traslado dos restos mortais de meu pai, Pedro Pomar, de São Paulo para Belém do Pará, sua terra natal. Nós havíamos descoberto que a repressão policial-militar, que o assassinou, havia enterrado seu corpo no cemitério de Perus, e achamos que ele merecia aquela homenagem póstuma. Tínhamos em conta que a ditadura estava em retirada estratégica, mas ainda não a tinha completado, havendo o perigo de retaliações, mesmo após a anistia. Mesmo assim, Alípio não vacilou em abrir o espaço da ABI e dar todo o apoio ao ato, inclusive falando sobre o homenageado, jornalista como ele. Depois disso, mantivemos uma longa amizade com ele e Rita, e o traço de sua personalidade que mais nos marcou foi sua solidariedade fraterna. E, na última vez que o vimos, nos 80 anos do amigo e companheiro Clóves Castro, tivemos a alegria de cantar em coro, com ele e os demais convidados, a Internacional. Wladimir  e Rachel Pomar